GRATO PELAS CRÍTICAS E APOIO: quanto às agressões, elas nos fortalecem

Por Rubens Teixeira*

Devido aos efeitos das fortes chuvas que atingiram recentemente a Cidade do Rio de Janeiro, sofri severas críticas na imprensa. Graças a Deus, não houve mortes por conta destas chuvas. Quanto às críticas, enfrento-as diariamente. A cidade tem graves problemas históricos em sua infraestrutura e também ambientais. São meus desafios. Eu os enfrentarei.

Evidentemente que críticas são importantíssimas. Afinal, sempre podemos melhorar e as pessoas têm o direito de expor suas opiniões, em especial nos temas de interesse público. Por outro lado, quando as críticas não são baseadas na verdade, são ruins, pois a finalidade é manipulação da avaliação alheia.

Boa parte das reportagens foi de alta qualidade, expressou a realidade e trouxe informações importantes para a sociedade. Entretanto, houve algumas que não estavam focadas na verdade e não foram proporcionais ao que a sociedade esperava.

Felizmente, a sociedade percebeu que algumas críticas não tiveram como aliada a verdade e nem o interesse público. Por isso, além de críticas, recebi palavras de incentivo de diversas pessoas pelas ruas e também através das redes sociais.

Gostaria de agradecer aos que identificaram nosso esforço, nosso trabalho e não se deixaram levar por informações erradas. Agradeço as sugestões e críticas também. Todos queremos melhorias.

Todavia, quanto às truculências, estou acostumado a elas. Cheguei aqui apanhando da vida e de muitas pessoas. Isso foi importante para o meu fortalecimento. Não são de todo ruins. O que me resta é resistir bem porque tenho muito trabalho pela frente. Estou motivado.

Não temo o debate porque a verdade se defende. Ela segue as leis da física. Não precisa de uma pessoa específica para defendê-la. É como um curso d’água que vai para onde tem de ir.

Quanto aos que se aproveitam do momento difícil para valerem-se de agressões desnecessárias, não me abalo porque me fundamento no texto bíblico: “Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.” (Salmo 125:1). Se o salmista Davi fosse carioca, provavelmente diria: “Os que confiam no Senhor são como o Pão de Açúcar que não se abala, mas permanece para sempre”.

Estamos nos esforçando muito! Vamos em frente! Temos muito a fazer! E estamos com disposição para fazê-lo!

* Rubens Teixeira é Secretário de Conservação e Meio Ambiente da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *